Autor Tópico: Valjoux 7730 - A CLASSIC MID-CENTURY MOVEMENT  (Lida 490 vezes)

Offline fbmj

  • Membro de honra
  • *****
  • Mensagens: 1.490
    • Ver perfil
Valjoux 7730 - A CLASSIC MID-CENTURY MOVEMENT
« Online: 09 Junho 2020 às 17:11:32 »
Artigo sobre um dos meus movimentos preferidos:
https://wornandwound.com/chronography-13-the-important-history-of-the-valjoux-7730-a-classic-mid-century-movement/


Para os que não foram ao cursinho de inglês (traduzido pelo Google):

O Valjoux 7730 é um movimento de cronógrafo de corda dupla e registro manual produzido de 1966 a 1973. O 7730 inclui um pequeno sub-dial de segundos às 9:00, um contador de 30 minutos pulando às 3:00 e um contador central de segundos . Sem complicação de data, a coroa se move entre apenas duas posições, uma configuração simples e agradável. Originando-se como uma alternativa aos cronógrafos de roda de coluna, o 7730 emprega um sistema de troca de came acessível que ajudou a democratizar o relógio de cronógrafo durante a metade do século passado.

O Valjoux 7730 serviu de base para movimentos personalizados e renomeados de marcas como Breitling, IWC e Panerai, enquanto o estoque 7730 acabou em relógios de marcas tão obscuras que o movimento é a coisa mais reconhecível neles. Pesquise no eBay por "Valjoux 7730" hoje e você obterá um punhado de cronógrafos esportivos das décadas de 1960 e 1970 de jogadores menores como Briel, Exactus e LIP através de personalidades mais conhecidas como Hamilton, Clebar e Zodiac; o último agora carrega o caché e o alto preço de ter sido construído por Heuer. Até a Sears & Roebuck vendeu 7730 cronógrafos carregados, feitos por Heuer, sob a marca sem imaginação "Tradition". Quanto aos seus próprios cronógrafos, Heuer usou o 7730 com moderação na Autavia Ref. 7763 e Carrera 7753, embora movimentos de roda de coluna como o Valjoux 72 (que usam diferentes ref.) Sejam igualmente comuns nesses modelos.

Juntamente com as taxonomias emaranhadas dos Valjoux 7730s modificados e renomeados, a bonança de aquisição e fusão entre fabricantes de movimento suíços durante o século 20 atrapalhou ainda mais a história do 7730. A versão curta é que o 7730 começou como o Vênus 188, que ocorreu de 1948 a 1966, quando Valjoux absorveu Vênus e mudou o nome do movimento para Valjoux 7730. Além do nome, Valjoux nada mudou até 1969, quando pequenas modificações no martelo deram origem ao 7733 e suas variantes com data (7734), contador de 12 horas (7736) e contagem regressiva de 10 minutos (7737), todos contendo peças intercambiáveis ​​com o 7730 original. Confusamente, o 7730 permaneceu em produção. atualmente até 1973, provavelmente o ano em que os martelos à moda antiga foram finalmente usados. O 7733 levemente modificado e suas variantes só duraram até 1978. Todos foram vítimas da crise de quartzo.

Apesar dos escritos na parede, Valjoux também produziu uma versão automática do 7733, chamada 7750, de 1974-1975, tornando-as suficientes naquele ano para durar uma década inteira de ascensão contínua ao quartzo. Como o interesse em relógios mecânicos voltou a surgir, Valjoux trouxe o 7750 de volta em 1985, e continua sendo o movimento cronógrafo mecânico mais popular do mundo até hoje.

Apesar dessa linhagem labiríntica, quase todos os 7730s não modificados têm “7730” estampados, e é seguro assumir que o carimbo indica um movimento de estoque feito entre 1966 e 1973. Aqueles que desejam coletar versões anteriores devem procurar os Vênus 188s, enquanto os interessados em modelos posteriores, deve-se observar o 7733, 34, 36, 37 e, é claro, o 7750 automático.

Como eles são a norma há décadas, é difícil imaginar um movimento de cronógrafo de mudança de câmera como um desenvolvimento radical. No entanto, durante a década de 1940, quando os sistemas de roda de coluna ainda eram o padrão, o Venus 188 de mudança de câmera muito mais barato ajudou a dar origem a uma diversidade aparentemente interminável de cronógrafos acessíveis, promovendo simultaneamente a roda de coluna à eminência. Embora existam explicações técnicas válidas para a superioridade do mecanismo de roda da coluna (especialmente quando acoplado a um ativador de embreagem), os sistemas de came permanecem até hoje os cavalos de trabalho acessíveis que deveriam ser.

Culturalmente falando, o movimento do cronógrafo de mudança de câmera ajudou a democratizar o cronógrafo. Durante as décadas de 1950 e 60, relativamente ricas, o esqui alpino corria em direção ao seu boom nos anos 70, com os Alpes como o destino final. Uma estética alpina austríaca e suíça estereotipada foi levada a uma nostalgia internacional ao ar livre que popularizou a arquitetura em estilo de chalé, suéteres suíços tradicionais, moda après-ski, fondu e reproduções intermináveis ​​de The Matterhorn. Então, como agora, nada simbolizava a Suíça, além de chocolate e relógios, e podia-se comemorar uma viagem à Suíça (ou a um dos novos resorts da América do Norte, como Aspen ou Vail) com um cronógrafo esportivo, porém acessível, da Chronographe Suisse ou um dos inúmeros selos para os quais eles faziam relógios. Estima-se que, entre o final da Segunda Guerra Mundial e o início da crise de quartzo na década de 1970, existiam até 500 selos diferentes, oferecendo relógios contendo movimentos terceirizados do cronógrafo de mudança de câmera. Entre relógios que abrigavam o Venus 188, o Valjoux 7730 e movimentos comparáveis ​​de Landeron e Lemania, milhões de cronógrafos de troca de cames foram vendidos durante as décadas do pós-guerra.

O cronógrafo de mudança de câmera também se encaixou no que chamamos de estilo de meados do século. Khakis casuais, camisas pólo, tênis e suéteres de cardigã (geralmente com cachimbo e coquetel na mão) estavam dominando a moda masculina - todos ajudando a completar uma completa rejeição aos códigos vitorianos vencidos pela guerra que persistiram nos EUA e Europa. Junto com o jazz, o expressionismo abstrato, a literatura irônica - e talvez até um pouco de maconha e socialismo no campus - as armadilhas da boêmia estavam sendo dominadas. Nesse contexto instável, os cronógrafos (e os relógios de mergulho em menor grau) ajudavam a declarar suas amplas liberdades pessoais, estilo descontraído e aventureiro de jato (por mais reais ou imaginários). Tudo isso preparou o cenário para Paul Newman e Steve McQueen subirem durante a década de 1970 como os mais legais (se não o mais velozes) carros de corrida usando cronógrafos e cardigãs, dentro e fora da tela. Newman e McQueen rapidamente se tornaram modelos de moda para homens comuns que procuram desempenhar papéis semelhantes em suas próprias vidas, e um cronógrafo barato foi o acessório ideal.

Sejam loucos por montanhas ou loucos por carros, esses clientes jovens, esportivos e masculinos estavam comprando cronógrafos de mudança de câmera tão rapidamente que as grandes casas de relógios não podiam ignorar a tendência. Breitling serve como exemplo. Em 1964, eles introduziram sua linha de cronógrafos Top Time, inicialmente abrigando Venus 188s e depois Valjoux 7730s e suas variantes. Como o próprio Willy Breitling colocou em seu comunicado de imprensa: “Estamos entrando no campo da juventude e vamos falar a língua deles. Estamos projetando uma excelente variedade de cronógrafos ultramodernos, liderados por um modelo completamente novo, o Top Time. ” Os movimentos de troca de came permitiram que Breitling e outros alvos desse próspero mercado de gama baixa.

Relógios com 7730s eram grandes para a época. Pode ser difícil imaginar um cronógrafo de 36 mm como um relógio grande, mas em meados do século passado 36 mm ou mais significava grande presença de pulso. Esses cronógrafos também eram decididamente casuais e esportivos (mesmo os dourados), comparados aos relógios de vestido cada vez mais finos e minúsculos da época. No entanto, os relógios contendo o 7730 e seus parentes ainda eram mais finos do que aqueles com movimentos verticais das rodas das colunas, e essa diferença pode ter ajudado os cronógrafos carregados por câmeras a parecerem mais usáveis ​​em um momento em que 33 mm era o tamanho de um relógio masculino comum.

A história do Valjoux 7730 exemplifica como desenvolvimentos simultâneos em tecnologia e cultura podem se entrelaçar para formar um novo DNA horológico. Enquanto os cronógrafos de roda de coluna do século passado agora permanecem como monumentos de alto nível, os cambiadores de câmera como o 7730 representam um ideal democrático realista que, de várias maneiras, se assemelha ao espírito do boom atual das micro-marcas . Esse espírito vive no Valjoux / ETA 7750, com a única desaceleração decorrente da regulamentação antimonopólio do governo suíço, um sinal de quão popular esses movimentos permanecem até hoje.



Foto do meu Technos com o 7734
« Última modificação: 09 Junho 2020 às 17:14:14 por fbmj »

Offline flávio

  • Administrador
  • Membro de honra
  • *****
  • Mensagens: 9.048
    • Ver perfil
Re:Valjoux 7730 - A CLASSIC MID-CENTURY MOVEMENT
« Resposta #1 Online: 10 Junho 2020 às 10:57:07 »
Há duas premissas repetidas à exaustão entre nós, aficionados, que até hoje eu não tomo como verdades absolutas. A primeira delas, inclusive ressaltada no texto, refere-se à superioridade dos sistemas de roda de coluna em prol dos came. Será mesmo? Você que está lendo este comentário, sim, você... Você, que tem cronógrafos com os dois sistemas, vê grande diferença entre eles, do ponto de vista do usuário? Eu sinceramente não vejo... E vou além: uma das piores experiências em cronógrafo para o usuário, seja porque faz barulho ao acionar, como se algo estivesse quebrado, seja porque é duro e impreciso, é justamente um modelo com roda de colunas, muito embora de construção modular, o ETA 2894. Em compensação, o modelo exemplo de came no mundo, os 7750, tendem a ser bem precisos no acionamento, muito embora com uma certa "rispidez" no acionamento.

Enfim, o que quero dizer é que eu não vejo muito essa história de pior ou melhor como algo inerente ao PROJETO, mas qualidade de construção.

Vou mais além ainda... Essa história de redução de custos que se reflete ao consumidor me soa como balela, ainda que aparentemente os custos sejam mais baixos, olhando-se individualmente. Explico... Parece-me claro que, do ponto da engenharia, é mais simples estampar uma peça (um came) a usina-la (uma roda de colunas). Mas numa produção em massa, com maquinário específico, com centenas de milhares de peças sendo produzidas aos borbotões, será mesmo que essa variação de preço é refletida em preços ao consumidor?

O texto, por exemplo, diz que os cronógrafos com came (e seu baixo preço), popularizaram o cronógrafo. Será mesmo? O que vou dizer agora não é baseado em dados, e sim uma mera conjectura. Peguemos um movimento super complexo de fazer, design antigo, como o El Primero. Se o relógio inteiro, nos anos 70, era vendido ao consumidor por cerca de 200 dólares, quando deveria custar a produção do movimento inteiro? Uns, sei lá, 50 dólares? Imaginemos, então, que fosse possível fazer um espetacular movimento do ponto de vista técnico, que reduzisse o custo pela metade, para 25 dólares, em virtude da adoção de - voilá! - um came. Será mesmo que essa "fantástica" redução de custos, fazendo com que o modelo concorrente colocado no mercado custasse uns 150 dólares, incrementaria substancialmente as vendas?

Tenho minhas dúvidas...

A realidade é que a engenharia é sempre algo que evolui: você não vê fábrica de carro por aí usando injeção mecânica de combustível (algo que BMW, por exemplo, usou no passado, uns troços complexos paca) em prol da injeção eletrônica. E por quê? Porque ainda que funcionasse igual do ponto de vista de eficiência, é mais caro para produzir. Mas ainda que fosse o mesmo preço, a tendência na engenharia é fazer as mesmas coisas de forma mais simples, porque isso é o caminho natural.

Em síntese, se há um sistema mais simples de ser produzido, o came, que funciona igual (ou, reza a lenda, como disse acima, um pouco pior...) ao modelo anterior, só um idiota insistiria na produção daquele.

Na verdade, eu acho que a insistência no uso do sistema de roda de colunas, como muita coisa na relojoaria, é muito mais um lance "de tradição" para nerds como nós do que efetivamente vantagem do ponto de vista prático. Aliás, seria bizarro dizer que uma coisa projetada mais de cem anos antes de outra poderia ter alguma vantagem técnica efetiva...


Flávio

Online igorschutz

  • Membro de honra
  • *****
  • Mensagens: 7.770
  • Santo Anjo do Senhor de piroquinha
    • Ver perfil
    • http://igorschutz.blogspot.com/
Re:Valjoux 7730 - A CLASSIC MID-CENTURY MOVEMENT
« Resposta #2 Online: 10 Junho 2020 às 15:05:02 »
Há rodas de colunas e rodas de colunas...

Você tem uma roda usinada como a do Rolex 4130:


E você tem uma roda estampada nojenta como a do Lemania 5100:


A roda bacanuda usinada como a do Rolex deixa o acionamento extremamente macio e gostoso de usar, enquanto a roda estampada nojenta do Lemania (e do 2894) trás um acionamento seco e ridículo.

Não é só saudosismo, ou a dificuldade de se fazer, mas DE FATO há diferença no acionamento.
Opinião é como bunda: todos têm a sua. Você dá se quiser.
Opinião é como bunda: você dá a sua e eu meto o pau.

NÃO ACREDITE NO QUE 'FALAM' AQUI, ESTUDE BEM E TIRE SUAS PRÓPRIAS CONCLUSÕES

Offline flávio

  • Administrador
  • Membro de honra
  • *****
  • Mensagens: 9.048
    • Ver perfil
Re:Valjoux 7730 - A CLASSIC MID-CENTURY MOVEMENT
« Resposta #3 Online: 10 Junho 2020 às 17:11:54 »
Ora Iguinho, sem querer você confirmou meu ponto de vista: mais vale um came bem feito como, por exemplo, os que equipam os Omega 861 do Moonwatch, a uma roda de colunas meia bomba como a do 2894. Mas quando se colocam lado a lado projetos bem feitos, com peças bem feitas, eu sinceramente, falo do coração, acho muito difícil ver essa diferença... O acionamento dos Omega 321 não são diferentes assim dos 861. Eu pelo menos não acho, muito embora, para fazer meia culpa, só tenha acionado 321 velho e 861 novo, o que certamente influencia...

Enviado de meu ASUS_Z01KD usando o Tapatalk


Offline fbmj

  • Membro de honra
  • *****
  • Mensagens: 1.490
    • Ver perfil
Re:Valjoux 7730 - A CLASSIC MID-CENTURY MOVEMENT
« Resposta #4 Online: 10 Junho 2020 às 19:03:20 »
Ora Iguinho, sem querer você confirmou meu ponto de vista: mais vale um came bem feito como, por exemplo, os que equipam os Omega 861 do Moonwatch, a uma roda de colunas meia bomba como a do 2894. Mas quando se colocam lado a lado projetos bem feitos, com peças bem feitas, eu sinceramente, falo do coração, acho muito difícil ver essa diferença... O acionamento dos Omega 321 não são diferentes assim dos 861. Eu pelo menos não acho, muito embora, para fazer meia culpa, só tenha acionado 321 velho e 861 novo, o que certamente influencia...

Enviado de meu ASUS_Z01KD usando o Tapatalk

Aproveitando o ensejo, o que vc me diz do came e da construção em geral dessa família 7730?

Offline FALCO

  • Moderador Global
  • Membro de honra
  • *****
  • Mensagens: 2.470
    • Ver perfil
Re:Valjoux 7730 - A CLASSIC MID-CENTURY MOVEMENT
« Resposta #5 Online: 10 Junho 2020 às 19:25:49 »
roda de colunas é supervalorizado
FRM: contra argumentos, não há fatos !!!

Online ejr888

  • Membro de honra
  • *****
  • Mensagens: 1.193
  • EJR888
    • Ver perfil
Re:Valjoux 7730 - A CLASSIC MID-CENTURY MOVEMENT
« Resposta #6 Online: 10 Junho 2020 às 19:35:58 »
Preciso comprar uma mesa de relojoeiro e lupa profissional para acessar essas imagens. Definitivamente..

Offline flávio

  • Administrador
  • Membro de honra
  • *****
  • Mensagens: 9.048
    • Ver perfil
Re:Valjoux 7730 - A CLASSIC MID-CENTURY MOVEMENT
« Resposta #7 Online: 10 Junho 2020 às 21:45:15 »
Eu nunca acionei 7730, mas o 7750, sua versão evoluída automática, tem um acionamento muito preciso, sem titubeio, apesar de "clec" demais, se me fiz entender. Preciso sim, mas meio duro.

Enviado de meu ASUS_Z01KD usando o Tapatalk