Os calibres Omega série 1000

  • 7 Respostas
  • 311 Visualizações
*

Offline flávio

  • *****
  • 9.561
    • Ver perfil
Os calibres Omega série 1000
« Online: 30 Setembro 2021 às 17:53:03 »
Post que lancei agora no Insta

[5:40 PM, 30/09/2021] flavio maia: No final da década de 1960, a Omega encontrava-se em um impasse diante dos concorrentes e novas tecnologias: como incrementar a competitividade e reduzir custos? Na época, a marca utilizava os mecanismos produzidos em massa que eram considerados os melhores do mercado, a série 500. Equipados com balanços monometálicos em Glucydur, baixa frequência (19800 bph), reguladores “pescoço de cisne” e excelente acabamento, superavam a concorrente Rolex em número de certificados de cronômetro emitidos.
Em 1968, sob a batuta de Kurt Vogt, a Omega lançou seus novos movimentos, a série 1000. Com balanços de alta frequência (28800 bph), a fábrica buscava manter a performance dos antigos calibres 500, embora reduzindo custos. Foram eliminados os reguladores “pescoço de cisne”, o acabamento em cobre folheado e outras decorações. A mudança foi um desastre… As rodas reversoras danificavam-se rapidamente, em virtude de um erro de projeto, e os relojoeiros não estavam preparados para as novas exigências de lubrificação de um mecanismo de alta frequência. Em 1972, para solucionar estes problemas, a Omega reprojetou o mecanismo, lançando ao mercado as séries 1010 à 1022. Embora considerados “feios” para os padrões da Omega, tornaram-se um sucesso. Foram fabricados cerca de 1.5 milhão de unidades até 1984, quando a marca, abalada financeiramente após a “Crise do Quartzo”, passou a utilizar mecanismos da ETA.
Em 1997, meu avô batalhava contra um câncer quando resolvi visitá-lo no hospital. Desiludido e com a voz fraquinha, chamou-me até seu leito e disse: “o Omega Constellation que ganhei na aposentadoria e está no cofre, quero que fique com ele….”
Meu avô faleceu poucos dias depois e guardei a confidência só para mim por alguns meses, até que acabei relatando o fato à minha mãe. Ela, pessoa que não sabe guardar segredos, contou à minha avó… Certo dia, com um brilho nos olhos, ela entregou-me o relógio e disse: “seu avô fazia questão que ficasse com você”. O relógio, um Constellation “C” fabricado em 1973 e equipado com um movimento 1021, foi o estopim do meu interesse pela relojoaria….


« Última modificação: 30 Setembro 2021 às 17:56:37 por flávio »

*

Offline DonPepe

  • ****
  • 465
  • Brasil, um país de merda...
    • Ver perfil
Os calibres Omega série 1000
« Resposta #1 Online: 30 Setembro 2021 às 18:36:11 »
Post que lancei agora no Insta

[5:40 PM, 30/09/2021] flavio maia: No final da década de 1960, a Omega encontrava-se em um impasse diante dos concorrentes e novas tecnologias: como incrementar a competitividade e reduzir custos? Na época, a marca utilizava os mecanismos produzidos em massa que eram considerados os melhores do mercado, a série 500. Equipados com balanços monometálicos em Glucydur, baixa frequência (19800 bph), reguladores “pescoço de cisne” e excelente acabamento, superavam a concorrente Rolex em número de certificados de cronômetro emitidos.
Em 1968, sob a batuta de Kurt Vogt, a Omega lançou seus novos movimentos, a série 1000. Com balanços de alta frequência (28800 bph), a fábrica buscava manter a performance dos antigos calibres 500, embora reduzindo custos. Foram eliminados os reguladores “pescoço de cisne”, o acabamento em cobre folheado e outras decorações. A mudança foi um desastre… As rodas reversoras danificavam-se rapidamente, em virtude de um erro de projeto, e os relojoeiros não estavam preparados para as novas exigências de lubrificação de um mecanismo de alta frequência. Em 1972, para solucionar estes problemas, a Omega reprojetou o mecanismo, lançando ao mercado as séries 1010 à 1022. Embora considerados “feios” para os padrões da Omega, tornaram-se um sucesso. Foram fabricados cerca de 1.5 milhão de unidades até 1984, quando a marca, abalada financeiramente após a “Crise do Quartzo”, passou a utilizar mecanismos da ETA.
Em 1997, meu avô batalhava contra um câncer quando resolvi visitá-lo no hospital. Desiludido e com a voz fraquinha, chamou-me até seu leito e disse: “o Omega Constellation que ganhei na aposentadoria e está no cofre, quero que fique com ele….”
Meu avô faleceu poucos dias depois e guardei a confidência só para mim por alguns meses, até que acabei relatando o fato à minha mãe. Ela, pessoa que não sabe guardar segredos, contou à minha avó… Certo dia, com um brilho nos olhos, ela entregou-me o relógio e disse: “seu avô fazia questão que ficasse com você”. O relógio, um Constellation “C” fabricado em 1973 e equipado com um movimento 1021, foi o estopim do meu interesse pela relojoaria….


Difícil saber o que é mais bonito: o relógio ou a história! Parabéns pela peça. Aproveite-a com saúde e com as boas memórias do avô!

Arriba!!


Sent from my iPhone using Tapatalk

Re:Os calibres Omega série 1000
« Resposta #2 Online: 30 Setembro 2021 às 20:28:44 »
História muito legal, Flávio.

Eu não costumo gostar de relógio dourado, mas esse Omega do seu avô é muito lindo. Até o movimento do bicho é bonito.

Espero que dure mais algumas gerações.

*

Offline fbmj

  • *****
  • 1.636
    • Ver perfil
Re:Os calibres Omega série 1000
« Resposta #3 Online: 01 Outubro 2021 às 11:01:15 »
Mesmo o mais feio da Omega ainda consegue ser mais bonito que os da Rolex kkkk

*

Offline cass

  • ****
  • 287
    • Ver perfil
Re:Os calibres Omega série 1000
« Resposta #4 Online: 01 Outubro 2021 às 21:39:23 »
Mais um exemplo: 1011 COSC
QUANTO MAIS AUMENTA-SE  NOSSO CONHECIMENTO, MAIS EVIDENTE FICA NOSSA IGNORÂNCIA.

*

Offline Adriano

  • *****
  • 6.356
    • Ver perfil
Re:Os calibres Omega série 1000
« Resposta #5 Online: 08 Outubro 2021 às 09:59:52 »
Detalhe: esses calibres são MUITO precisos. Claro, por serem antigos, você vai encontrar exemplares gastos, mexidos por curiosos... aí a precisão vai para o brejo. Mas quando estão em ordem, são incrivelmente precisos.

Abs.,

Adriano

*

Offline DonPepe

  • ****
  • 465
  • Brasil, um país de merda...
    • Ver perfil
Re:Os calibres Omega série 1000
« Resposta #6 Online: 10 Outubro 2021 às 10:33:00 »
Tenho esse Deville 166.051 com calibre 1002 que herdei do avô da minha esposa há exatos 10 anos atrás.
Estava bem detonado e ficou em condição de novo após uma revisão e restauração na Watchtime.
Posso dizer que esse relógio foi o que me despertou a curiosidade pelo assunto.



Sent from my iPhone using Tapatalk

*

Offline DonPepe

  • ****
  • 465
  • Brasil, um país de merda...
    • Ver perfil
Re:Os calibres Omega série 1000
« Resposta #7 Online: 10 Outubro 2021 às 10:33:21 »



Sent from my iPhone using Tapatalk