Revisitando a obra "Longitude", de Dava Sobel

  • 2 Respostas
  • 188 Visualizações
*

Offline flávio

  • *****
  • 9.242
    • Ver perfil
Revisitando a obra "Longitude", de Dava Sobel
« Online: 15 Abril 2021 às 16:01:40 »
Há alguns dias divulguei uma longa palestra do J.H Andrewes na “Horological Society” de Nova Iorque, na qual ele aborda o tema Longitude. Em determinado ponto da live ele citou a publicação da obra de Dava Sobel, que resolvi revisitar agora em rápida folheada, depois de vários anos.

https://forum.relogiosmecanicos.com.br/index.php/topic,16159.0.html

Em 1993, na Universidade de Harvard, para comemorar o trecentésimo aniversário de John Harrison, J.H. Andrewes organizou um simpósio abordando o tema “Longitude”, que contou com 500 participantes de 17 países diferentes.
Por acaso a escritora Dava Sobel estava no local e foi convidada pelos organizadores a escrever um artigo sobre o tema, cuja publicação foi rejeitada pela maioria esmagadora das revistas dos Estados Unidos: segundo afirmaram, o assunto era “enfadonho” demais… O texto, então, acabou sendo publicado apenas na “Harvard Magazine”.

O editor George Gibson, porém, leu o artigo e, ao contrário dos seus colegas, vislumbrou a possibilidade da publicação de um livro sobre o assunto, o que ocorreu em 1995. A obra rapidamente entrou na lista das mais vendidos dos Estados Unidos e Inglaterra e, inclusive, foi transportada para as telas no ano 2000, em longo filme com 3 horas de duração, estrelado por Jeremy Irons e Michael Gambon.

Acredito que tive contato com o livro, editado pela Ediouro, no ano 2000… E imediatamente fui cativado pela história de John Harrison, o relojoeiro solitário que solucionou o problema científico mais complexo da sua época. Digo sem exagero que este livro mudou o curso da minha vida, pois incentivou-me a valorizar e pesquisar o lado humano por trás de objetos aparentemente tão simples. Se não houvesse lido este livro, provavelmente não teria mantido o interesse pelo assunto por tanto tempo, viajado para outros países em busca de histórias, formado amizades… Este livro é uma das placas de sinalização das encruzilhadas da minha vida que determinaram se o caminho a seguir seria à esquerda ou à direita. Sim, este pequeno livro com apenas 150 páginas...



Re:Revisitando a obra "Longitude", de Dava Sobel
« Resposta #1 Online: 15 Abril 2021 às 19:17:23 »
Flávio, muito legal este seu relato e é incrível como certas obras tem este poder de nos influenciar.

Também fiquei muito tocado com a história do John Harrison e seu grande feito, apesar das grandes dificuldades e todo o tempo que passou até ele alcançar seu objetivo, e ainda tendo que lutar contra seu perfeccionismo, que talvez tenha sido até o grande diferencial que ele tinha para ajudar a resolver este problema tão complexo para sua época.

Comecei a me interessar por relógios de forma mais séria em 2012 e o livro Longitude foi o primeiro que li sobre o assunto e fiquei fascinado pela história e pela relojoaria. Mas, não conhecia estas historias dos bastidores do livro, nem que tinha um filme sobre o livro. Vou procurar o filme...

Saudações,

Jefferson.

*

Offline flávio

  • *****
  • 9.242
    • Ver perfil
Re:Revisitando a obra "Longitude", de Dava Sobel
« Resposta #2 Online: 15 Abril 2021 às 22:20:42 »
O filme pode ser visto através do Amazon prime americano, mas a versão é apenas em inglês, com legendas em inglês. Aliás, recomendo as legendas em inglês hahahahs. Tem também pirata no YouTube em trocentas partes, muito embora com imagem ruim. E, claro, nos Torrents da vida... O filme passou na tv a cabo no seu lançamento várias vezes, dublado em português. Eu inclusive gravei em vhs. Tentei muito achar essa versão dublada, pois queria que vários vissem sem a limitação da língua. Sem sucesso... E tentei, como tentei, até mesmo enviando e mails para as produtoras. Aliás, já pensaram na quantidade de mídia enterrada que existe por aí, sem ser disponibilizada ao público? Outro dia mesmo eu vi que existe uma disputa imensa pelo acervo da MTV e... Pô, disponibiliza tudo ao público! Se eu fosse produtor de conteúdo, iria preferir minha obra circulando, ainda que sem direitos autorais, a enterrada para sempre numa gaveta se deteriorando... Sequer consigo imaginar a quantidade absurda de negativos de filmes e outras mídias que irão se perder para sempre porque não lhe deram o devido valor.

Enviado de meu ASUS_Z01KD usando o Tapatalk