A imagem do consumidor do século XV sobre os relojoeiros (reparadores)

  • 2 Respostas
  • 151 Visualizações
*

Offline flávio

  • *****
  • 9.703
    • Ver perfil
Lia este livro agora quando me deparei com a seguinte nota de rodapé. Vou lhe confessar, eu ri muito, o consumidor dos anos de 1400 se parece comigo, reclamando de tudo e todos, principalmente dos relojoeiros reparadores. Em tradução livre:

"O pior hábito desses relojoeiros é que para simplesmente limpar o relógio, eles cobram dois ducados, como se não soubéssemos o que fazem ou deixam de fazer. Com muita prosa eles te contam como ajustaram as engrenagens, restauraram o equilíbrio, ajustaram as horas, consertaram várias partes do mecanismo e removeram a ferrugem. Em resumo, tendo ficado com o relógio em mãos por um mês, eles sugerem terem trabalhado frequentemente, quando na verdade apenas o observaram pendurado na parede ou jogado numa gaveta"


Nada mudou nestes 500 e tantos anos...


Flávio




*

Offline cass

  • ****
  • 296
    • Ver perfil
Re:A imagem do consumidor do século XV sobre os relojoeiros (reparadores)
« Resposta #1 Online: 06 Janeiro 2022 às 12:45:02 »

Nada mudou nestes 500 e tantos anos...


Flávio







Obrigado por compartilhar Flavio,

Uma observação....Qual era o perfil do consumidor dessa época? Tem algum dado referente a isso?

Hoje, com as informações que são compartilhadas nos meios digitais (Youtube, Forum RM, Etc) é possivel ter um "norte" no quesito manutenção, reparo, dentre outros serviços...desde que busque e aprofunde-se no assunto.

E naquela época? As informações não eram mais centralizadas, nesse caso, somente aos Mestres relojoeiros?

Mais uma vez, obrigado por compartilhar o conhecimento...

At.te.

Cass

QUANTO MAIS AUMENTA-SE  NOSSO CONHECIMENTO, MAIS EVIDENTE FICA NOSSA IGNORÂNCIA.

*

Offline flávio

  • *****
  • 9.703
    • Ver perfil
Re:A imagem do consumidor do século XV sobre os relojoeiros (reparadores)
« Resposta #2 Online: 06 Janeiro 2022 às 14:49:43 »
Os relógios portáteis eram, até mais ou menos os anos de 1650, objetos para os muito, muito, muito ricos. Nesta época aí, nem se fala. Não é por outro motivo que há vários pinturas de Reis e figuras importantes da época nas quais o cara posava ao lado de um relógio portátil.

Flávio