Sobre os escapamentos Rolex Chronergy

  • 0 Respostas
  • 205 Visualizações
*

Offline flávio

  • *****
  • 9.500
    • Ver perfil
Sobre os escapamentos Rolex Chronergy
« Online: 09 Agosto 2021 às 12:45:12 »
Há um longo texto no SJX sobre o tema, que resumi (meio porcamente) pelo menos os conceitos num post agora de insta.

O artigo está aqui, para os pacientes e nerds:

https://watchesbysjx.com/2021/05/rolex-chronergy-analysis.html

Meu post é esse

Na relojoaria teórica, o “Fator de Qualidade” (Fator Q) de um oscilador (o balanço ou pêndulo) é a razão entre a energia total armazenada no sistema (E) e a quantidade perdida e recuperada a cada vibração (ΔE). Q=E/ΔE. Durante cada oscilação do balanço, este perde energia em virtude do atrito. Em um sistema perfeito, a quantidade de energia perdida a cada oscilação deveria equivaler à quantidade de energia recuperada. Isto, porém, não ocorre na prática. Para melhorar a eficiência do escapamento de um relógio – o mecanismo responsável por “energizar” o balanço ou pêndulo -, algumas soluções podem ser implementadas como, por exemplo: reduzir o tempo que o escapamento fica em contato com o balanço; reduzir a fricção no sistema; utilizar componentes com menor massa e fabricar componentes com tolerâncias mais restritas.
O escapamento Rolex Chronergy, que vem sendo instalado em modelos desde 2015, possibilitou que a marca garantisse aos consumidores uma marcha diária média de ínfimos 2 segundos ao dia. Considerando que a empresa continuou utilizando o modelo de escapamento de âncora, inventado por Thomas Mudge ainda nos anos de 1750, o que foi feito para incrementar sua eficiência e, consequentemente, precisão?
Inicialmente, alterou-se o desenho da roda de escape e levees, de modo a reduzir as perdas em virtude do atrito. As modificações também visaram incrementar a recuperação de energia do balanço a cada oscilação. Passaram a utilizar, ainda, uma roda de escape totalmente perfurada e com menor massa. Finalmente, reduziram a espessura das paredes do tambor pela metade, o que possibilitou a utilização de cordas maiores (a autonomia dos relógios aumentou para 70 horas).
Mudanças aparentemente simples na teoria, mas que somente foram possíveis na prática em virtude da utilização de novos métodos de fabricação e materiais, certamente fariam Thomas Mudge orgulhar-se da sua invenção….